24.9.14

A fúria de Pangéia

Essa é uma história interessante, conta a vida de África e América, dois eternos amantes.
Ela era altiva como a vida e ele, forte como o amor.

Porém, como toda história de romance, havia um outro envolvido, alguém bastante intrigante.
Seu nome era Pangéia, forte e poderoso, senhor daquela era.
Seu coração doía, ao ver os dois em alegria, seu rosto se contorcia.

Dono de toda porção de terra, decidiu declarar guerra, reuniu seu escudeiro e pediu que desse um jeito, que América viesse a ser sua por inteiro.
Jeito, para quase tudo havia, mas logo lhe avisou, morte não desfazia e paixão não se movia.

Tamanha fora a fúria de Pangéia, clamou das profundas terras, força oculta, como ninguém soubera.
Bruta força que do fundo chão brotou, fez tremer os montes, rios e lagos esvaziou.
De tanto medo, a Terra começou a tremer, chacoalhou a todos, não escapou nenhum ser.

Se amando, África e América se olharam, coisa boa que não era, logo notaram.
E Pangéia, a terra ao meio dos dois partiu, em um forte estrondo, como nunca se ouviu.

De mãos dadas os amantes não puderam conter, os blocos de terra que os separavam, de tanto tremer.
Nem a força do amor foi capaz de segurar, as mãos unidas, os dois juntos, só queriam se amar.
E lentamente América e África pequenos se viam, e novos mares surgiam, das lágrimas que não continham.

O tempo impiedoso passou, mas o amor que foi, ficou e marcou.

Hoje América busca ser grande, dar a volta por cima e se reencontrar com África, seu amante.
Enquanto África que virara motivo de pilhéria, chora amargurado toda sua miséria.

Pangéia sujeito cruel, provou do seu veneno, amargo como fel. Vive em pedaços cercado de dor, e vez por outra é possível sentir o seu tremor.

Até hoje se conta de orelha em orelha, a história de amor entre África da pele escura e América da pele vermelha.
__________
- Ev Melo
Idealizador e curador deste espaço. É uma pessoa rara, como outra qualquer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário