22.8.14

COMPADRE GAVIÃO E COMPADRE URUBU (da série “Contos da dona Ilza”)

Diz que o Compadre Gavião estava com muita fome e resolveu sair em busca de algo para comer. Voou, voou, até que encontrou o Compadre Urubu. O Compadre Urubu vê o Compadre Gavião naquela aflição toda e lhe pergunta:
- Onde você vai, Compadre Gavião, tão afobado?
- Eu vou ali achar alguma coisa pra comer! Vamos comigo, compadre?
- Nãão, compadre, respondeu gravemente o Urubu, eu só como quando está morto, assim, sem pressa. Não gosto de sair atrás das coisas, não.
- Mas vamos comigo, me acompanhe!, insiste o Gavião.
- Não, eu só como quando está assim, deitado, no chão, quando já está morto. Eu não gosto de sair procurando a comida assim, desesperado!
- Mas vamos comigo, compadre, você vai comer já já!
- Tá bom!
Foi tanta a insistência do Gavião que o Urubu cedeu.
O Gavião, voando bem à frente, se perde em suas preocupações: “É já que eu vou encontrar alguma coisa pra comer com o Compadre Urubu.”
Logo mais à frente havia uma árvore ressequida, toda escangalhada, cheia de pontas, o Gavião, voando naquela euforia, não se deu conta e, numa fração de segundos... ploft!, estatelou-se contra uma ponta de pau e ficou travado. Desesperado, começou a bater as asas freneticamente.
Nisso vinha chegando o Compadre Urubu lá de trás, na maior tranquilidade...
Quando o Gavião olha de lado e vê que o Urubu vem chegando, suplica:
- Compadre Urubu, pelo amor de Deus, me tire daqui! Tire eu daqui, compadre, que eu não vi esse toco! Eu me enganchei aqui!
O Urubu calmamente lhe responde:
- Não, compadre, você se esqueceu? Eu só como os mortos...
- Nããão, compadre!!! Pelo amor de Deus!!!!! Não vai fazer isso comigo, não!
- Mas compadre, eu só como quando está morto mesmo...

__________
- Obadias de Deus
Músico que ganha a vida com sistemas, casado, dois filhos, sonhador e especialista em projetos  inconclusos. Vive no limiar da vida cotidiana e de seus devaneios que, ele nunca perde as esperanças,  algum dia darão certo, mas muito provavelmente não.

Nenhum comentário:

Postar um comentário