8.8.14

Carla

Ele era baixinho e feio. Talvez mais baixinho que feio. Ou o contrário. Na realidade, talvez nem fosse tão feio assim. Era mais esquisito do que feio. Esquifeio? Pode ser. De prático é que, tirando o fato de ser bom aluno, fora da sala de aula era um zero absoluto. Bem, nem tanto, porque era um garoto amável. Mas não tinha qualquer habilidade para prática esportiva, por exemplo. Quer dizer, corria bastante. Talvez por ser pequeno, magro e lépido, correr mais que os outros era o seu trunfo esportivo. Veja bem, de repente era uma grande vantagem aos 8 anos, idade em que esportes coletivos ainda não haviam brotado totalmente dentro da garotada. Ele viria a ser humilhado anos mais tarde, por sua total incompetência com o esporte bretão (bretão? Isso é necessário mesmo?) e, convenhamos, uma certa inapetência que não ajudava nem um pouco. Mas ele gostava muito de correr.

Também havia outra atividade que lhe seduzia demais: apaixonar-se. Ah, como ele gostava de se apaixonar! Ele se apaixonava pelas deslumbrantes, pelas bonitinhas e pelas feias. Cada uma por um motivo diferente. As lindas porque eram lindas, deslumbrantes. Bastavam surgir na sua frente e o estrago estava feito. Ele era incapaz de esquecê-las. Ficava atônito. Sua timidez natural o paralisava. E a paralisia é a condição ideal para o deslumbramento: você fica lá, temporariamente (ou eternamente) paralisado, vítima do encantamento, feliz, como se nada mais importasse. Mas essas eram as que mais lhe metiam medo. Porque ele sabia que com elas não tinha a menor chance. Então, ele as contemplava certo de que elas haviam percebido o seu fascínio. E tentava acreditar que elas seriam capazes de enxergar além daquela fachada pouco interessante, esquisita até, descobririam aquele garoto inteligente e sensível – ele se supunha – e acabariam se interessando por ele. Mas é claro que não, ele sabia. É que ele gostava de fantasiar um pouco. Quem não gosta? Havia as bonitinhas, ou seja, as mais ou menos, as que eram quase feias ou quase bonitas. Ele também se apaixonava por elas. Não pela beleza plástica, soberana. Mas pelo sorriso. Bastava um meio sorriso, um quase olhar meigo, e ele se via descontruído. E como havia meninas de sorriso simpático! Ele não resistia. Era muita poesia para declamar. Por fim, as feias. Ele também se apaixonava por elas. De uma forma um tanto enviesada, é verdade, mas se apaixonava. Ele via as feias com solidariedade. Ele se enxergava nelas. Ele as compreendia. Ele compartilhava da dor da feiura delas. Então, quando seu olhar se cruzava com uma feia, se ela tivesse a menor graça interna, aquele olhar suplicante que somente os feios conseguem transmitir, afinal, eles possuem muita prática nisso, ele se apaixonava também. É claro que ele tinha vergonha de admitir se apaixonar por uma feia, mas a honestidade do texto não me permite esconder esse fato: ele se apaixonava por elas também. Na realidade, acredito que ele se apaixonava por qualquer uma. Mas, como gostava de racionalizar tudo, arranjava uma explicação. Acho que teria sido mais fácil se tivesse escrito apenas que ele se apaixonava pelas meninas e pronto. Teria sido mais econômico.

A única forma de se fazer ser visto pelas garotas por quem ele se apaixonava era mostrar que corria mais que os outros garotos. Ser melhor aluno não tinha lá seu charme, não. Então, o jeito era apelar para suas pernas magricelas. Aliás, ele também gostava de se exibir com outras habilidades como plantar bananeira ou dar voadora. Quando os garotos iam se exibir entre si com essas habilidades supremas, lá estava ele, desesperado para suplantar seus colegas, mas tentando disfarçar isso, para passar a ideia de que fizera “tudo aquilo” sem se esforçar, sem se importar muito. Enfim, um esnobe precoce. Teve uma vez que os garotos estavam dando voadoras no muro da quadra de futebol, no recreio, em uma parte em que o muro era mais alto. Todos eles estavam tentando mostrar o quão mais alto eram capazes de acertar o pé. Não é que, depois de alguns intentos, ele conseguiu suplantar todos? Mas teve tanto sucesso que seu pé passou do topo do muro, atingiu o vazio, e ele enroscou sua perna. O resultado, claro, foi sua coxa e perna raladas. Além do constrangedor tombo. Ainda bem que ninguém riu. Mas isso lhe pareceu pior, porque lhe deu a quase certeza de que ninguém estava tão preocupado assim em mostrar o quão mais alto podia pular: o único preocupado parecia ser ele. Talvez, se tivessem rido dele, teria sido melhor. Melhor ser motivo de gozação que ser simplesmente ignorado. Então lhe sobrou a coxa e a perna ralada, junto com a sensação de que ele era realmente desimportante, inclusive para as meninas, o que doía mais.

Mas, a despeito de sua desimportância, quase invisibilidade, ele brilhava nas brincadeiras de “salva-cadeia”. Quando escolhiam as duas equipes, ele era disputado a tapas. Era seu momento de glória. Quando sua equipe fazia o papel de bandido, quase nunca ele era capturado e sempre salvava seus colegas na prisão. Quando era polícia, é verdade, tinha lá sua dificuldade para capturar os colegas porque geralmente eram maiores que ele. Mas no papel de bandido... ah, ele desequilibrava o jogo! Às vezes até dava confusão porque a outra equipe não conseguia virar a brincadeira quando estava no papel de polícia, justamente porque ele sempre conseguia libertar seus coleguinhas e a equipe no papel de polícia nunca conseguia chegar ao papel de ladrão antes do final do recreio.

Nesses momentos ele conseguia uma certa visibilidade com as garotas. Talvez esse fosse o momento em que ele era mais percebido. Uma ironia, inclusive, porque era quando ele fugia que mais aparecia. E, talvez por isso, Carla, uma garota que não era do grupo das deslumbrantes nem das feias, acabou se aproximando dele nas brincadeiras. Ela tinha cabelos cacheados. Talvez isso fosse o que mais lhe atraísse. Ela era meio espalhafatosa também. Ria alto. Mas tudo isso o deixava deslumbrado. Provavelmente o efeito seria o mesmo se suas características fossem o oposto. Enfim, aos poucos eles foram se tornando amiguinhos mais próximos e, quando deu por si, estava apaixonado por ela.

É óbvio, faz-se necessário tal esclarecimento, paixões aos 8 anos não são daquelas paixões trágicas de quando se é mais velho. Nada disso! Você diz, relutantemente, que gosta da menina, e olhe lá. Mas como ele não parava de pensar nela, podemos considerar que, tecnicamente, ele estava apaixonado. Na realidade, talvez estivesse mais apaixonado pela hipótese de a garota estar gostando dele do que da garota em si. Mas o fato é que ele estava desfrutando aquela experiência. Talvez a primeira de verdade na sua vida.

E foi num desses recreios, talvez numa brincadeira de esconde-esconde, que eles foram para um local mais afastado do pátio da escola, onde havia um bebedouro fora de funcionamento, num local meio sombreado, cujo concreto cinzento e rústico o tornava pouco atraente para perambulações. Quando se deram por si, estavam abraçados. Aconteceu de repente. Quando perceberam, nenhum dos dois teve coragem de falar sobre o assunto. Simplesmente ficaram mudos, sem saber o que fazer. Depois de alguns instantes, resolveram conversar sobre qualquer coisa, sem pressa, para eternizar aquele momento sublime. Falaram quaisquer bobagens. Tão quaisquer que nem se deram conta do que estavam falando. Na realidade, não estavam falando nada. Estavam apenas se abraçando. A fala era para apenas para disfarçar o constrangimento ou para evitar que eles tivessem que discutir sobre o que estava ocorrendo e, de repente, se darem conta de que era preciso parar com aquilo. Conversaram. Não por muito tempo, porque o sinal para retorno à sala de aula os obrigou a se desabraçarem. Foi o que fizeram e voltaram mudos, cada um experimento as sensações daquele momento. E, admitamos, bastante envergonhados um com o outro.

Na sala de aula, a professora em um dado momento repara que Carla está com umas manchas estranhas. Interrompe a aula e a analisa melhor. Rubéola! Alarmada, põe todos os alunos da classe em revista para ver se havia mais alguém e descobre que o garoto também estava com sinais de rubéola. Ninguém soube porque os dois – e somente eles – estavam com os sintomas, mas as mães foram chamadas, a coincidência de somente os dois estarem com os sintomas foi comentada sem maiores explicações, interrogatórios ou tentativas de entendimento, e ambos foram dispensados para passarem uma temporada em casa, de quarentena.

E nunca mais se abraçaram.

__________
- Obadias de Deus
Músico que ganha a vida com sistemas, casado, dois filhos, sonhador e especialista em projetos  inconclusos. Vive no limiar da vida cotidiana e de seus devaneios que, ele nunca perde as esperanças,  algum dia darão certo, mas muito provavelmente não.

Nenhum comentário:

Postar um comentário